Por que os trabalhadores da Copel entraram em greve?

Cidadão paranaense: você é dono da Copel, uma empresa cujo principal acionista é o Estado do Paraná. Por isso, é nossa obrigação informar a você porque começamos, nesta quinta-feira (22), uma série de paralisações na empresa – as primeiras em 23 anos.

Nos dois últimos anos, a Copel bateu recordes sucessivos em lucratividade. Bom para todos nós, paranaenses. Mas muito melhor para os donos de ações da empresa, que viram sua fatia nesses lucros subir de 25% para 35% do total, por determinação da diretoria indicada pelo governador Beto Richa (PSDB).

Muito bom, também, para esses mesmos diretores, que aumentaram os próprios salários, nesse período, em 42,34% (e quem diz isso não somos nós, mas a própria Copel, em documento público disponível na internet).

Mas e nós, trabalhadores? Nesses dois anos, ao nos sentarmos com a direção da empresa para negociar nosso Acordo Coletivo de Trabalho, tudo o que temos ouvido é uma série de “nãos”. Os diretores, tão dóceis com acionistas e com eles mesmos, são inflexíveis, intransigentes, com as pessoas que fazem da Copel um motivo de orgulho para todos os paranaenses.

São dois anos sem aumento real de salários. Enquanto isso, outras empresas do setor elétrico concedem ganhos reais a seus funcionários. “E eu com isso”, talvez se pergunte você? Saiba que isso é péssimo para a Copel, que está perdendo, nos últimos anos, dezenas de empregados extremamente capacitados, que desistem da empresa por conta dos baixos salários. Quem perde, com isso, somos todos nós, paranaenses. E você, dono da Copel, precisa saber disso.

Este ano, não deu mais pra engolir a intransigência e a prepotência do atual comando da Copel. Recusamos a proposta que um representante da direção chamou de “indecorosa” em assembleias com participação recorde de 5.840 copelianos – ou 61% do total de empregados da empresa. E foi uma recusa categórica: 73,51% dos votos rejeitaram a prepotência, a intransigência da direção da Copel.

Você, cidadão paranaense, pode estar se sentindo contrariado com nossa decisão. Pois saiba de outra coisa: os 15 sindicatos que representam 97% dos trabalhadores da Copel tentaram, de todas as formas, seguir negociando com a empresa para que tivéssemos um aumento real. Mas foram os representantes da empresa que se retiraram da mesa de negociações, dizendo que não haveria nova proposta. E isso não mudou nem mesmo depois que rejeitamos maciçamente a “proposta indecorosa”.

Outra coisa que você deve saber: nas negociações, esses representantes pintam um cenário ruim para o futuro da Copel, bem diferente daquele exibido nas dezenas de anúncios feitos pela empresa no rádio, na televisão, na agência de notícias do governo. E bem diferente daquele exibido aos acionistas.

Afinal, nós, que construímos a Copel, não merecemos o mesmo respeito que merecem os acionistas, ou os diretores? Não queremos 42,34% de aumento. Somos responsáveis. O que pedimos são 8,5% de aumento, o que significa pouco mais de 2,5% de aumento real. É justo, não?

Nós achamos que sim. E, como somos mais de 9 mil pessoas que têm valor, e não preço, decidimos fazer essa paralisação de alerta. Por enquanto, só nesta quinta-feira. Só haverá outras se a direção e o governo do estado se mantiverem intransigentes. E, nesse caso, você já sabe a quem deve cobrar providências.

Contamos com seu apoio, da mesma forma que você sempre pôde contar com a Copel e seus empregados, em todos os momentos.

Trabalhadores da Companhia Paranaense de Energia

Comportamento hostil de #Requião com jornalistas é antigo e já teve agressão física

O QUE EU NÃO CONSIGO ENTENDER É COMO UM MEMBRO DO ANTIGO “MDB DE GUERRA” COMO ELE GOSTA DE PRONUNCIAR PODE SER TÃO CONTRA A LIBERDADE DE IMPRENSA.

ONTEM COMENTEI QUE CADA ESTADO TEM O TIRIRICA QUE MERECE E QUE ELE É O NOSSO. O FATO TRISTE É QUE ELE NÃO É O NOSSO TIRIRICA… É O NOSSO SARNEY! ISSO MESMO… TEM MUITA GENTE POR AÍ QUE VOTA NESSE CARA EM TROCA DE UM PRATO DE COMIDA OU DE UMA CAMISETA… O PARANÁ É O CURRAL ELEITORAL DELE.

QUANDO LEMBRO QUE ELE CHEGOU LÁ ATRAVÉS DO NOSSO VOTO SINTO VERGONHA DE SER PARANAENSE!

fonte_BlogDaJoice

UOL | A relação belicosa do senador Roberto Requião (PMDB-PR) com jornalistas é antiga no Paraná. Ele é reincidente quando se trata de agredir fisicamente um representante da categoria no exercício do seu trabalho.

Em abril de 2004, o jornalista Fábio Silveira, de Londrina, teve um dos polegares torcidos por Requião após questionar se suas críticas à política econômica do governo Lula representavam um rompimento com o PT.

Naquele episódio, um gravador também esteve envolvido na confusão. Requião agarrou a mão de Silveira e desligou o equipamento à força. Num blog que mantém na internet, Silveira relembrou o episódio ao falar do caso envolvendo a tomada do equipamento do repórter da Band News, em Brasília.“Pelo menos da outra vez que eu vi esse filme , o senador em questão não ficou com o gravador: devolveu na hora. Só quis se certificar de que estava desligado. O que o deixou tão irritado nesse filme [de 2004], cujo ‘remake’ é feito agora? Uma pergunta sobre as críticas dele à política do então czar da economia no primeiro governo Lula, o neoliberal Antônio Palloci”, relembrou Silveira.

A jornalista Joice Hasselmann, blogueira e âncora da rádio Band News FM, em Curitiba, moveu processo contra Requião e seu irmão, o então secretário estadual da Educação, Maurício Requião, por ataques desferidos contra ela em 2007. A Justiça deu ganho de causa à jornalista e fixou indenização de R$ 25 mil.

Joice foi chamada de “canalha” por Requião em discurso ao vivo na TV Educativa, mantida pelo governo do Estado, para rebater uma reportagem da jornalista. Ela havia produzido reportagem sobre a compra de 20 mil televisores para escolas públicas, que a oposição da época questionou diante da suspeita de cada aparelho ter custado mais do que o encontrado pelo consumidor em lojas de eletrodomésticos.

O político paranaense segue um roteiro previsível quando resolve tentar intimidar jornalistas. Após uma pergunta ou reportagem que o desagrade, Requião parte para a ameaça, o ataque verbal e, como se viu, a agressão física.

Em 2006, o colunista Celso Nascimento, do jornal “Gazeta do Povo”, sofreu processo movido por Requião. Então governador, o político pediu, sem sucesso, a quebra do sigilo telefônico do jornalista.

O objetivo era tentar identificar quem informava Nascimento sobre investigação do Ministério Público Estadual a respeito de indícios da existência de rede de escutas clandestinas promovida supostamente por um policial civil aliado de Requião contra adversários políticos.

Em janeiro de 2009, ainda governador, Requião foi proibido judicialmente de usar a TV Educativa para criticar membros do judiciário, Ministério Público e a imprensa.

Ele ignorou a proibição e recebeu seguidas multas (que ultrapassam R$ 500 mil e foram contestadas por ele) por desrespeitar a ordem. Nesse caso, Requião protestou e, ironicamente, se disse vítima de “censura à liberdade de expressão”.