A guerra e a paz de Gustavo Fruet

Do blog CAIXA ZERO da GAZETA DO POVO

Gustavo Fruet foi ontem de bicicleta da Câmara até a prefeitura. Belo gesto, não há dúvida. Ainda mais se lembrarmos que a maioria dos homens públicos por essas bandas gosta mesmo é de carros de corrida, helicópteros e veículos blindados. Melhor ainda teria feito se fosse de busão, um sistema muito mais importante para centenas de milhares de pessoas e que exige melhorias imediatas. Mas os cicloativistas, na maioria de classe média alta, têm mais poder de mobilização do que os passageiros do Alferes Poli. Fazer o quê? Políticos vivem de agradar seus grupos de pressão.

Sensato, cordato, pacífico, Fruet é um diplomata nato. Sabe agradar. Mesmo sendo milionário e agora prefeito de uma grande cidade, continua com cara de paisano, o típico sujeito que você pode encontrar ao dobrar a esquina de casa. Faz bem em participar dos ativismos da classe média? Claro. Defender animais de rua, pedalar pela cidade ou fazer declarações sobre os direitos do urso panda serão sempre atitudes bem-vindas. E, nisso, Fruet certamente será exemplar, o que não é pouca coisa. Todos sabemos o que quatro anos de requianismo trazem de feridas a ser costuradas.

Mas ser prefeito de uma cidade cheia de problemas exige muito mais do que cordialidade. Exige enfrentamento. Fruet terá pela frente, como ele mesmo ressaltou, o desafio de melhorar o transporte coletivo. Isso ao mesmo tempo em que terá de manter a tarifa a um preço razoável. Para isso, precisará ver a fundo as contas do baronato das empresas de ônibus. Será ele o homem certo para a função? Esqueça o fato de Fruet ter se aliado a Osmar Bertoldi, dono de uma das empresas de ônibus da cidade. Pense só no tipo de conflito que isso representa.

Este, é claro, é só um exemplo de tarefa difícil para os próximos quatro anos. Há ainda o ICI e seus interesses. Há as grandes empreiteiras, que ganham com viadutos estaiados de R$ 94 milhões e que ganharão muito mais com o bilionário metrô. Há os 38 vereadores, não nos esqueçamos. Há os partidos aliados, ávidos pelo poder que tanto desejaram. Fruet não poderá agradar a todos, nem foi para isso que a população o elegeu. E fazer uma cidade melhor exige confrontos. Exige fazer descontentes.

Durante a eleição, Fruet respondeu a essa pergunta numa sabatina que promovemos na Gazeta. Perguntei sobre a experiência dele no PMDB: Requião o confrontou, e Fruet virou tucano. No PSDB, Richa virou o cacique e o boicotou: Fruet ficou até o fim, para lutar pelo partido? Não, virou trabalhista. Seria uma aversão ao confronto? Fruet respondeu longamente, dizendo que era sim um homem de comprar as brigas necessárias. Citou o mensalão, quando ajudou a cassar quatro envolvidos. O caso do deputado da motosserra. E as próprias brigas internas do partido.

Ok: todo mundo tem direito a crédito. Todos veremos agora como o novo prefeito se comporta. Será o caso de pegar o Circular Sul daqui a quatro anos e ver como ficaram o Osternack, o Pantanal, o Xapinhal e o Bairro Novo. Se o ônibus e as vilas estiverem na mesma, a promessa de mudança terá sido em vão. Esperemos que o modo de ir à posse, por mais que seja elogiável, não tenha sido o gesto mais ousado do novo prefeito. Afinal, todos queremos um bom 2013.

Texto de Rogério Galindo

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/blog/caixazero/?id=1332263&tit=a-guerra-e-a-paz-de-gustavo-fruet

Polícia do Senado tenta expulsar @danilogentili por abordar #renancalheiros

Da Folha.com / BlogDaJoice | Policiais do Senado tentaram nesta quarta-feira expulsar uma equipe do programa humorístico CQC, da TV Bandeirantes, depois que o repórter Danilo Gentili abordou o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) nos corredores da Casa.

O repórter, um cinegrafista e um produtor foram convidados a se retirar do Senado depois que perguntaram a Renan se a sua indicação para o Conselho de Ética da Casa é semelhante à escolha do traficante Fernandinho Beira-Mar para o Ministério de Combate às Drogas.

“Ele nos deu uma ordem de expulsão, aí ficamos em um gabinete para não ter que sair do Senado. Um dos seguranças chegou a dizer que estava constrangido porque sabia que nós temos credenciais para circular livremente pela Casa”, disse Gentili.

Depois da ameaça de expulsão, o grupo voltou a realizar gravações nas dependências do Senado sem ser novamente abordado pelos policiais. A Polícia Legislativa do Senado confirmou à Folha que pediu para o grupo se retirar da Casa por não ter credenciais de imprensa que permitem a livre circulação nas dependências da instituição.

“Eles não têm autorização para circular. Se tivessem, nós não teríamos abordado. Eles deram entrada com o pedido [de autorização], mas ele ainda não saiu. Se insistiram nisso, estão descumprindo uma ordem da Casa”, disse o diretor da Polícia do Senado, Pedro Araújo Carvalho.

Entre os parlamentares abordados pelo grupo, está o senador Roberto Requião (PMB-PR) –que na semana passada arrancou o gravador de um repórter da Rádio Bandeirantes depois de se irritar com a sua pergunta. Requião apagou o arquivo com a sua entrevista antes de devolver o aparelho ao jornalista. Assim como Renan, Requião não respondeu às perguntas de Gentili.

Pelo Twitter, Requião protestou contra o repórter do CQC em tom de ameaça. “Novamente nos corredores do Senado o mal cheiroso CQC procurando descolar uma agressão física.”

#requião toma gravador de repórter

FONTE: BLOGDAJOICE | O Senador Roberto Requião (PMDB) ficou irritado com a pergunta de um repórter da Rádio Bandeirantes e tomou o gravador das mãos do jornalista, hoje a tarde , no Senado. O repórter Victor Boyadjian
conta que a entrevista começou sobre a repercussão de inflação pelo Banco Central, quando ele resolveu fazer uma pergunta sobre a aposentadoria que ele recebe como ex-governador do Paraná.

O gravador foi entregue ao jornalista no gabinete do senador, porém estava sem o cartão de memória.  Victor lamenta que o trabalho de um dia todo foi perdido.

O jornalista tentou registrar uma queixa e não conseguiu, já que o corregedor responsável por atender casos do senado não estava presente na casa.

ÁUDIO DE Requião rouba gravador de repórter

Os candidatos mais ricos destas eleições

FONTE: LISTA10

Uma pesquisa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revelou os candidatos aos cargos políticos com os maiores patrimônios declarados das eleições 2010. Confira o Top 10:

1º. Guilherme Leal – São Paulo – (PV): R$ 1,2 bilhão
2º. Marcelo Almeida – Paraná – (PMDB): R$ 683 milhões
3º. João Claudino – Piauí – (PRTB): R$ 632 milhões
4º. Lirio Parisotto – Amazonas – (PMDB): R$ 616 milhões
5º. Ronaldo Cezar Coelho – Rio de Janeiro – (PSDB): R$ 564 milhões
6º. Otaviano Pivetta – Mato Grosso – (PDT): R$ 415 milhões
7º. José Ribamar N. Linhares – Distrito Federal – (PT do B): R$ 350 milhões
8º. Joel Pacheco Vieira – Rio de Janeiro – (PP): R$ 305 milhões
9º. João Lyra – Alagoas – (PTB): R$ 240 milhões
10º. Vadão Gomes – São Paulo – (PP): R$ 192 milhões

Verdades sobre Requião

Eu classifico o Requião, infelizmente futuro senador do Paraná, no mesmo grupo de pessoas como Tiririca, Clodovil, Frank Aguiar, ou seja, que só ganharam o poder por falar besteira na televisão. Como a maioria do povo já tá FU mesmo vota nesses malucos.

Nós, do Grupo DICMOUER, apesar de preferir rir doque chorar, nunca ficou calado diante de situações.

No link abaixo, veja um apanhado de videos, sempre diponível no DICMOUER CHANNEL, pq a luta pela verdade nunca pode acabar.

GAFES DO GOVERNADOR

Acesse o nosso site especial ELEIÇÕES 2010

DICMOUER.WORDPRESS.COM/ELEICOES

Tiririca para deputado (infelizmente, isso não é piada!)

É isso mesmo pessoal… Tiririca, Batoré e Pedro Manso são candidatos a deputado. Para senador o único candidato-humorista é Requião (PMDB) que, como todos os palhaços de plantão, deve se eleger com ampla margem de votos.

Daí fica a pergunta: Quem é o palhaço dessas eleições? O povo, como “protesto”, acaba votando nessa gente e esquece que, na realidade, estão ajudando a colocar no poder os lixos que são do mesmo partido.